sábado, 17 de julho de 2010

Diário de Bordo: Guarapuvu no Frisian Solar Challenge

 Primeiro dia de competição: Íamos largar com o hélice para alta velocidade, mas esse desintegrou na primeira acelerada, uns 150m da largada. Esse hélice foi trocado dentro da água mesmo, para um de média velocidade com melhores condições de uso. Depois disso o barco andou. Estávamos passando vários barcos quando o sistema elétrico deu pane e levamos um DNF (do not finish), nesse dia o sistema de direção não estava tão bom.
Com isso ficamos sem nosso hélice de alta velocidade (daria uns 2knos a mais que o médio) e dando dias de "solzão" todo dia.


Segundo dia de competição: Largamos com o hélice de médio. Um pouco antes da metade da prova o sistema de direção soltou, mas o Paulo conseguiu arrumar em uns 10 minutos. Logo depois com o sistema de direção meio ruim e tentando tirar o atrazo o Paulo errou uma curva e acertou um outro barco, com isso o módulo da frente soltou, mas ficou em cima do casco, colocamos umas fitas pra segurar e ok. Ele continuou assim. Logo depois entramos em alguns canais muito apertados, mal passavam 2 barco pequenos, e o sistema de direção deu pane de novo, arrumamos bem mais ou menos e andamos mais uns 300m, até que num desses canais apertados um barco que não era da competição vindo no sentido contrário não reduziu nem deu espaço para o nosso barco e um outro classe B passar, o clase B foi pra beira do canal e encheu de mato no hélice, já o nosso acertou o fundo do canal e quebrou umas das pás das hélices, com isso ficamos sem nosso hélice resistente e não tínhamos mais os ruins pra trocar, levamos outro DNF.

Com isso estávamos sem hélice. O Bernardo e o Lorenzo estavam no hotel e por sorte um integrante de outra equipe nos cedeu um hélice de alumínio. Esta era menos eficiente que a nossa de média e tinha um sistema de fixação diferente. Conversando com outras equipes ganhamos mais 2 hélices, mas de modelos bem diferentes dos nossos, acabamos usando esse primeiro. Um holandês chamado Stefens de uma equipe Top Class que não tinha conseguido a velocidade mínima no prólogo nos deu uma grande ajuda nos levando para uma oficina e resolvendo o problema de acoplamento do hélice. Essa noite também melhoramos o sistema de direção.


Terceiro dia de competição:
O barco estava "redondo" com várias "gambiarras". 
Conseguimos acabar em 9º. O problema é que estava dando altos dias de sol e precisaríamos de um hélice de alta velocidade para ir melhor na competição.O hélice que estávamos usando dava no máximo 13km/h, enquanto o hélice de alta deveria da 16km/h com a mesma energia.Se tivéssemos o hélice grande teríamos ficado pelo top5 nas regatas.

Os outros dias foram assim também, muito sol, e o "Guará" andando na máxima do hélice mas não conseguindo o desempenho que foi projetado. Tivemos problemas com os barcos da organização que ficavam passando em alta velocidade e fazendo muitas ondas, como o Paulo não estava muito confiante no barco e muito cuidadoso ele reduzia quase a 0 a velocidade quando um barco desses passava, perdemos uns 4 minutos nisso também.


Último dia de competição: Fomos bem, tirando que a bateria acabou porque não conseguimos calcular a distância certa da prova por falta de tempo e internet, perdemos uns 6minutos pra resetar o sistema, mas a bateria acabou há uns 500m da relargada. Na relargada fomos muito bem, voando como barco a 14km/h. Mas não sei porque a organização colocou um DNF nesse dia, nos acabamos a prova sim! Deve ter ocorrido um erro, e vamos fazer um protesto.


  • Se tivéssemos 1 semana de testes antes de enviar o barco teríamos ido muito melhor e nosso barco tem potencial para ficar entre os primeiros com certeza. Fomos muito elogiados pelo sistema do trim variável e inclinação dos módulos. E nosso barco era um dos mais bonitos e bem acabados. Chamou a atenção de todos que viram ele.

  • Com certeza fomos a equipe que mais lutou para acabar as provas, e mais trabalhou!! Ficávamos até de madrugada trabalhando e enrolando os guardas para deixarem a gente trabalhar, pois tinha horário pra fechar o Padok (lugar onde ficavam os barco de noite) e éramos os primeiros a chegar para trabalhar de manhã.

  • Durante as provas fizemos coisas que nenhuma outra equipe sequer tentaria, como trocar um hélice dentro da água onde nem dava pé, corremos uns 2km para chegar ao barco com problema, concertamos tudo que dava do jeito que dava para continuarmos, mas tivemos muito azar.

"Vamo acreditá"
Valeu equipe!! Valeu "Guará"!!

2 comentários:

SÉRGIO ASSIS LIMA disse...

Lima da equipe ETEHL-NAÚTICA,
Bem que eu estranhei a colocação de vocês sei o potencial de vocês.
Parabéns pela explicação dada.
Abraço,
Lima

Nunes disse...

Valeuu!! Curti demais aí galera!! uhull!

Postar um comentário